segunda-feira, março 15, 2010

ó sim
esperei dentro de mim
como um ovo sem casca
por você,
depois de enamorar-me do poder
e por ele poder me fragmentar
violencias tripas e cascalhos
ao chão
ó sim
ser devorado lacinante
esteril
e depois beber beber
me umidecer
pois o frio fogo do gelo terrestre
requer fogo
ó sim esperei po ti
esse que guardo o nome
cresce criança:
Por isso te inventei
nome e sobrenome
para pertencer
sim ! novamente pertencer:
oh homem apocaliptico:
um sacrificio das coisas
maternas maternais
terrenais, um cometa !

a calma placida de me afogar
e sim ela morrerá
por sua boca peixe de asas
fatais: estrebucha, estrebucha
mulher-estrela-esteril,
tú estavas já morta mulher estrela esteril.

Ps: esse canto é anterior ao que vem depois, bem anterior.

3 comentários:

raphael disse...

pedrinho vc eh o poeta que mais me inspira! muita muita muita luz.

Lua disse...

Responderia por linhas vazias
Espiral ascendente
Ascende, acende:
-Fogo!Fugaz!Feroz!Mordaz!-
Em mim, em mil, em mim
Ninguém!
Rabiscarei o seu nome no vento das sete...
-E pronto! Tonto! Ponto!-
No lúgubre passado
O ontem que ainda não existia
Nada continha!

- Empregarei novamente as mesmas letras! Cravado em punhal a luzir... O seu nome... Suor... E diamantes? -

Criança crescendo...
Criança crescendo...
Criança...
Não vá!

PS: Arte bonita, sempre traz no ventre, um desejo de reprodução! Nas mãos do poeta, nos olhos do leitor comovido, uma cama. E então... Do ato consumado, desse tesão literal e literário, nasce o novo!
- Bendito é o fruto do teu ventre,oh, inspiração!

Ao poeta... Com muita humildade! Não pude deixar de deixar como uma espécie de presente, algo que escrevi após ler o que você escreveu, já que a inspiração partiu daí!Espero que goste. É bem singelo, não escrevo coisas grandes, não sei escrever bonito,e não sou poetiza! Sou amadora e muito amante das coisas!Um grande beijo no seu coração! E parabéns pelo Blog! Lindíssimo! Lindíssimo!

Paula Poncioni disse...

Sorte, sorte, sorte.... na vida!
Bjs,
Mummy